Lattes

terça-feira, 19 de julho de 2016

2016 06 27 Coral da Filô apresentação no Lison

2016 06 24 Avaliação Canto Coral I e III Tulha



Apresentação/avaliação das classes de canto coral I e III
Dia 24 de junho de 2016 (sexta-feira)
Hora: 14h
Local: Tulha
Banca: Profa. Dra. Silvia Berg, Profa. Dra. Yuka de Almeida Prado e Prof. Dr. Marcos Câmara de Castro

Programa
Te Deum (Luís Álvares Pinto). Regência: Gilberto Ceranto.
Sicut Erat, do Magnificat Octavi Toni (Cristobal de Morales). Regência: Adriana Cândido
Komm, Süsser Tod (Bach). Regência: Pedro Brinck
Gute Nacht (Schumann). Regência: Adriana Cândido
Dieu! Qu’il la fait bom regarder (Debussy). Regência: Adriana Cândido
Pater Noster (Stravinsky). Regência: Eduardo Santana de Oliveira
The drunken sailor (Sund). Regência: Walisson da Cruz
Psalm of summer (Ahlen). Regência: Adriana Cândido
My God is a rock (Parker/ Shaw). Regência: Pedro Brinck. Solista: Luís Felipe de Sousa.

Notas do programa

Te Deum (por Gilberto Ceranto)
O Te Deum é uma oração cristã, utilizada na liturgia católica, no Ofício das Horas e das Leituras; sua autoria é atribuída a Santo Ambrósio, que a recitou em Milão no ano de 386, por ocasião do batismo de Santo Agostinho. Ao longo da história, o texto religioso foi musicado por diversos compositores, dentre os quais destacam-se Charpentier, Lully, Mozart, Haydn e José Maurício Nunes Garcia. O Te Deum a ser apresentado foi composto pelo maestro pernambucano Luís Álvares Pinto (Recife, 1719-1789), um dos principais representantes da música barroca brasileira. Sua instrumentação é para 4 vozes, 2 violinos, trompa e baixo contínuo. Uma possível tradução literal do Te Deum ficaria como: Louvamos-Te, Deus:/ Confessamos-Te, Senhor./ Toda a Terra Te venera, Pai Eterno./ A Ti todos os Anjos, a Ti o céu e todos os Poderes,/ a Ti os Querubins e Serafins, com voz incessável, proclamam:/"Santo, Santo, Santo/[é] o Senhor Deus dos Exércitos./ [Os] céus e [a] terra estão cheios da majestade da tua glória."/O coro glorioso dos Apóstolos,/ a harmonia de louvor dos Profetas,/o exército dos Mártires em brancas vestes Te louva./Em toda a terra a tua santa Igreja Te confessa [como] o Pai de imensa majestade:/ Digno de veneração [é] Teu verdadeiro e único Filho; e também o Parácleto [que é o] Espírito Santo. / Tu [és] [o] Rei da glória, ó Cristo. Tu és [o] Filho do Pai sempiterno. / Tu, para livrar o homem, a quem hás de receber, não tiveste horror do útero da Virgem./ Tu, que venceste o aguilhão da morte, abriste aos crentes os reinos dos céus./ Tu te assentas à direita de Deus, na glória do Pai, Crê-se em ti [como o] Juiz que havia de vir./ Assim, pedimos-te: acode os teus servos que remiste com sangue precioso./ Faze com que sejam contados com os os teus santos na eterna glória./ Salva [o] teu povo, e abençoa [a] tua herança./ E dirige-os e levanta-os por toda a eternidade./ Ao longo de cada dia te bendizemos;/ E louvamos o teu Nome n[este] século e no século do século./ Condescende, Senhor, guardar-nos sem pecado [n]este dia./ Tem misericórida de nós, Senhor./ Tem misericórdia de nós./ Faça-se [a] tua misericórdia, Senhor, sobre nós/ do mesmo modo como esperamos em Ti./ Em ti, Senhor, esperarei: não serei confundido na eternidade.

Sicut erat (por Adriana Cândido)
Parte final do oitavo Magnificat (cântico de Maria da liturgia católica) de Cristóbal de Morales (Espanha, c.1500 - 1553), um dos grandes nomes da polifonia renascentista, compositor de música vocal majoritariamente sacra. Morales foi o primeiro compositor espanhol de renome internacional (Europa e Novo Mundo), trabalhou no coro da capela papal. A obra é uma realização contrapontística de quatro vozes sobre dois cantus firmus em canone (um uma quinta abaixo do outro). Por necessidades técnicas do coro, está sendo executada meio tom abaixo do original. Texto: Gloria Patri, et Filio, et Spiritui Sancto. Sicut erat in principio, et nunc, et semper, et in saecula saeculorum. Amen. Tradução: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

Komm, süsser Tod (BWV 478) (por Pedro Brinck)
Venha, doce morte. Venha, abençoado repouso. É uma peça retirada das “69 Canções Sacras e Árias”. O texto, de autor anônimo, foi musicado originalmente para voz e contínuo. Pela combinação de texto e melodia, Bach expressa o desejo pelo descanso eterno e ascensão do espírito. Este coral está entre as mais populares obras vocais de Bach e já foi adaptada e transformada por diversos outros compositores, como Max Reger, Leopol Stokowski, Knut Nyste e para órgão por Virgil Fox.

Gute Nacht (por Adriana Cândido)
Última canção do Op. 59 (Vier Gesänge) de Robert Schumann (Alemanha, 1810 - 1856), publicado em 1846. É uma canção de ninar. Texto: O boa noite que eu lhe desejo, amigo, ouve! Um anjo, que carrega a mensagem, vai e vem. Ele leva para você e traz de volta para mim a saudação. Também lhe diz a canção de seu amigo, agora, boa noite.

Dieu! qu'il la fait bon regarder (por Adriana Cândido)
Primeira das Trois Chansons de Charles D'Orleans, de Claude Debussy (França, 1862-1918). Como é característico na música de Debussy, nessa chanson sente-se a impressão de suspensão e fluidez, e, ao mesmo tempo, o uso recorrente de tercinas proporciona movimento. Essas construções sugerem a representação do sentimento de inquietude e admiração do eu-lírico e da leveza da amada idealizada. Tradução: Meu Deus, que miragem ela é! A graciosa, a boa, a bela; todos se apressam para elogiá-la por cada uma de suas virtudes. Quem poderia se cansar dela? Sua beleza constantemente se renova. Em nenhum dos lados do oceano eu conheço alguma menina ou mulher assim perfeita em todas as virtudes. Só o pensar nela já é um sonho. Meu Deus, que miragem ela é!

Pater Noster (por Eduardo Santana de Oliveira)
Tradução: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome. Venha o teu Reino. Seja feita a tua vontade, tanto na terra como no céu. O pão nosso de cada dia dá-nos hoje. Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos os nossos devedores. E não nos induzas à tentação, mas livra-nos do mal; (...). Amém! Otche Nash (Pater Noster) tem um pouco mais de um minuto de duração. Um estilo simples, prevalecendo a homofonia, circundando através de harmonias tradicionais em um estilo de canto Ortodoxo Russo, completamente tonal, muito sério apresentando austeridade. A versão original desta peça é de 1926 e não é conhecida como Pater Noster, pois Stravinsky não usou as palavras em latim, entretanto usou as eslavas. Assim o significado de "Pater Noster" Latim e "Otche Nash" eslava é o mesmo, e o contexto também: "Pai nosso, que estás nos céus ...". Muitos anos depois, em 1949, o compositor recompôs a música para se adequar ao texto latino, fazendo mudanças sutis para a inflexão rítmica e adicionando um pouco de "cauda" no final da peça (para um "Amém").

The Drunken Sailor (por Walisson da Cruz)
Uma das celeumas mais conhecidas (isto é, canto com que marinheiros ritmavam seu trabalho), The Drunken Sailor era cantada a bordo de navios à vela, especialmente em momentos que exigiam um ritmo mais intenso de atividade. Acredita-se que tenha se originado no início do século XIX ou antes, embora sua autoria e origem sejam desconhecidas.Foi revivida como uma canção popular no século XX e acabou se tornando uma música muito gravada e interpretada, aparecendo frequentemente em meios de comunicação populares. Embora a letra da música varie, ela geralmente contém alguma variante da pergunta: "O que vamos fazer com um marinheiro bêbado, no início da manhã?". Cada verso em seguida sugere um método diferente de punição para o marinheiro. O arranjo para coral a ser executado foi escrito por Robert Sund, regente e compositor sueco.

Psalm Of Summer (por Adriana Cândido)
Também conhecida por "The Earth Adorned", memoráveis primeiras palavras da obra. Trata-se de uma saudação ao verão que chega e à beleza da criação divina; estes dois elementos, porém, são fugazes, somente a palavra de Deus permanece para sempre. Composição de Waldemar Åhlén (Suécia, 1894 - 1982), organista e professor de música.


My God is a rock (por Pedro Brinck)

Um negro spiritual tradicional, com forte influência. Arranjado por Robert Shaw e Alice Parker, dois grandes compositores e arranjadores de música coral estadunidenses. Rock – pedra em inglês – é uma referência as Pedra do Altar de Elias do livro de Isaías na versão do Rei James: “A sombra de uma pedra na terra desértica”. A ideia de descanso e proteção estão implícitas no texto quando cantam “abrigo em tempos de tempestade” (“shelter in a time of storm”) também no texto de Isaías. A referência em “He’s my rock”, que pode ser traduzida como “Ele é meu apoio”, com significado de “Aquele que me fortalece”, como estando sempre em todos os momentos de necessidade e provação. Os Capítulos (“Chapters”) são usados para designar as histórias bíblicas.

Classes de Canto Coral I e III (2016-1): Adriana Mara Candido (monitora PEEG), Alessandra de Ribeiro e Almeida Lodoli, Ana Maria Janunzzi de Salles, Anderson Pereira de Oliveira, André Eiva Pfeiffer, Augusto Fioreli Barbieri, Bruna Passos Iodice, Caio Pardo Buck, Cíntia Galan Martesi, Daniel Alves Silva Pereira, Daniel Selli, Dionel Carlos dos Santos de Rezende, Eduardo Santana de Oliveira, Felipe Henrique de Toledo, Francisco José Bento da Silva, Gabriel Morais Barbosa, Gabriela Miranda Simões de Menezes, Gilberto Ceranto Júnior, Giovana Ceranto, Gláucia Marques, Guilherme Floriano Natale, Guilherme Oliveira Bortot, Inanna Moraes Bianchi, Iully Araujo Benassi, Jéssica Rocha Martins, Jhony de Souza Pinto, João Guilherme Grando, Kelly Araujo da Costa Corrêa de Oliveira, Letícia Dias de Assis, Leticia Maria Antunes, Lucas de Oliveira Casagrande, Luciene Leme Oliveira, Luis Felipe de Sousa, Luis Guilherme Walder de Almeida, Marcos Vinícius Pessoa Gonçalves, Mario Francisco Baylão, Mateus Marchiori Pereira, Nadine Morais Alves, Otávio Augusto Bongiovani Silva, Patricia Sayuri Hata, Pedro Henrique Brinck Camargo, Pedro Henrique Longo Pasqualatto, Rafael Stein Pereira, Roberto Pereira Lima, Samuel de Oliveira Leghi, Samuel Pereira da Silva, Tales Naiá Batchi Thomaz de Souza, Talita Cristina Gonçalves, Thamie Briane da Silva, Thiago Garcia dos Santos, Tiago Martins, Victor Landim de Mello, Vinícius Eduardo Simião da Silva, Walisson Higor da Cruz, Webert Rodolfo Ninin, William Tadashi de Almeida Mori.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Coral da Filô, 23/11/2015, no Anfiteatro André Jacquemin

APRESENTAÇÃO DE FINAL DE ANO DO
CORAL DA FILÔ
DIA: 23/11/2015 (segunda-feira)
HORA: 19:30h
LOCAL: Anfiteatro André Jacquemin (FFCLRP/USP)
ENTRADA FRANCA
Prof. responsável: Marcos Câmara de Castro
Regência e preparação vocal: Carmem Ribeiro Costa


O Departamento de Música da FFCLRP/USP, através do Prof. Dr. Marcos Câmara de Castro (tel.: 33159060), responsável pelas disciplinas Canto Coral I, II, III e IV, criou o CORAL DA FILÔ, aberto a professores, alunos, funcionários, familiares e comunidade em geral, com ensaios todas as segundas-feiras, das 18:30h às 20h, no Anfiteatro André Jacquemin, sem testes de admissão de qualquer natureza. Trata-se de um coral comunitário que valoriza a experiência musical compartilhada e canta principalmente o Cancioneiro Coral Brasileiro.
Venha cantar com a gente, comparecendo às segundas-feiras, das 18:30h às 20h, no Anfiteatro Jacquemin. Não é exigida qualquer experiência anterior. 
Coral da Filô conta com a colaboração de Carmem Ribeiro Costa, regente, cantora e professora dedicada ao ensino coletivo de música e ex-aluna do Departamento de Música da FFCLRP/USP. Graduanda em Pedagogia pela Universidade Metodista de São Paulo, Educadora Musical no Projeto Guri na cidade de Ribeirão Preto, cantora no grupo musical DuCaDuo, voluntária como regente assistente e preparadora vocal no Coral da Filô (USP, RIbeirão Preto) sob orientação do Prof. Dr. Marcos Câmara de Castro.

Programa:
  1. Estrela, estrela (Zilahi)
  2. Baião (Krieger)
  3. Casa (Rodrigues)
  4.  Rock my soul (spiritual)
  5. Nascente (Zilahi)
  6. Água de beber (Sabag)
  7. Haja o que houver (Eduardo de Carvalho)
  8. Esse teu olhar (Zilahi)
  9. Ponta de areia (Boca Livre)
  10. Caçador de mim (Anzai)
  11. Cio da terra (Rodrigues)
  12. Muié rendera (Krieger)
  13. Samba do Arnesto (Campos/Wontroba)
  14. Canto do povo de um lugar (Kerr)
  15. Um violeiro toca (Rodrigues)
  16. Forró (Eduardo de Carvalho)
  17. Noite de paz (Mohr & Gruber)
Integrantes do Coral da Filô/ 2015-2:
Ana Maria Carvalho (EERP), Arthur Ribeiro (FMRP), Cristina Santana Cruz (FFCLRP), Érika Augusta  Creolezio (empresária), Evelyn Caroline de Toledo (FFCLRP), Felipe Toledo (FFCLRP), Gloria Prandi (CEF), Karen Bortoletto (FORP), Leandro Tostes Franzoni (FFCLRP), Luís Fernando Bonani (secretário), Marcelo Ribeiro (engenheiro civil), Marcia Ribeiro (jornalista), Marcos Henrique Prandi (bancário), Maria Angela Barbosa (bancária), Maria de Fátima da Silva (do lar), Maria Aparecida Stamato (PEB II SEE SP), Maria Beatriz Prandi (FFCLRP), Maria Teresa Lemos (FFCLRP), Marisa von Dentz (FFCLRP), Nayara Ribeiro (designer), Paula Ferraresi (psicóloga), Pedro Coscia (estudante), Pedro de Souza La  Gamba (estudante), Pedro Henrique Brinck (FFCLRP), Pedro Henrique Brinck Camargo (FFCLRP), Pedro Henrique da Silva (FFCLRP), Regina Helena Bertoli Benati (FMRP), Renata Ruano (psicóloga), Rosangela Souza (FFCLRP), Samantha de Vilhena (FFCLRP), Samuel Bícego (FFCLRP), Simone Ap. de Souza La Gamba (autônoma), Stella Vilar (FFCLRP), Valentino Benati Filho (projetista), Wander Ribeiro (FMRP)

I

Avaliação das disciplinas Canto Coral II e Canto Coral IV

DEPARTAMENTO DE MÚSICA DA FFCLRP-USP
Avaliação das disciplinas
Canto Coral II e Canto Coral IV
Professor  Responsável:  Marcos Câmara de Castro
Banca: Profa. Dra. Silvia Berg, Profa. Dra. Yuka de Almeida Prado, Prof.Dr. Marcos Câmara de Castro

SALA DE CONCERTOS TULHA
DIA 27 DE NOVEMBRO DE 2015 (SEXTA-FEIRA)
HORÁRIO: 13:30h




PROGRAMA
1. Il bianco ed dolce cigno (Arcadelt) - Gilberto Ceranto
2. Mendelssohn op.48, n. 3 (Lerchengesang) - Adriana Cândido
3. Mendelssohn op.48, n. 4 (Morgengebet) - Walisson da Cruz
4. Solfeggio (Pärt) - Gabriela Menezes
5. Down by the riverside (spiritual) - Flórence Suana
6. When the stars begin to fall (spiritual/Blanco) - Evelyn Caroline
7. Go tell it on the mountain (spiritual) - Letícia de Assis
8. Angélica (Rodrigues) - Pedro Brick
9. Fon-fon (Kerr) - Pedro Brick
10. Estrela, estrela (Kerr) - Guilherme Ennes
11. Estrela do mar (Kerr) - Lilian Lozio
12. Muié rendera (Fonseca) - Camila Zanetti
13. Dai-me licença (S.V. Corrêa) - Talita GonçalvesEstrela, estrela – Vitor Ramil /Arr. Samuel Kerr

NOTAS DO PROGRAMA
1. Il bianco ed dolce cigno. Uma das principais composições de Jacques Arcadelt (c.1507-1568), compositor da Escola Franco-Flamenca, bem como de todo o século XVI, Il Bianco e Dolce Cigno é um madrigal a 4 vozes, sob um poema do marquês Alfonso d’Ávalos (1502-1546). De acordo com o musicólogo Alfred Einstein (1880-1952): "... ela [a composição] se contenta com uma simples declamação, proposta no texto, dependendo do poder elementar e mágico da música, da harmonia, que encobre este poema em um manto de sublime e distante sentimentalismo. Aqui é atingido o ideal de que se espera de dolcezza [doçura] e de suavità [suavidade] em uma música. Arcadelt conferiu à esta composição uma qualidade que é muito rara na música secular do século XVI, a durabilidade...” É uma peça homofônica, cujo texto possui uma metáfora muito comum na época: O branco e doce cisne/ cantando morre, e eu, /chorando chego ao fim do meu viver/ Sorte estranha e distinta,/ que ele morra desconsolado,/ e eu morra abençoado./ Morte, que ao morrer,/ me enche todo de alegria e de desejo./ Se ao morrer outra dor não sinto,/ mil mortes por dia morrerei contente (Gilberto Ceranto).

2. Lerchengesang, do conjunto de seis canções "Der este Frühlingstag" (Op.48, No.4). Compositor: Felix Mendelssohn Bartholdy (Alemanha, 1809-1847). Lerchengesang [Canção da cotovia], assim como as demais canções de Der este Frühlingstag [Primeiro dia de primavera], é uma saudação à chegada da primavera, exaltando a doçura do canto da cotovia. É um cânone para quatro vozes a capella. Foi publicada pela primeira vez em 1844-47 (por Adriana Cândido).

3. Morgengebet, Op. 48, No. 5. Jakob Ludwig Felix Mendelssohn Bartholdy, mais conhecido como Felix Mendelssohn (Hamburgo, 3 de fevereiro de 180 9 — Leipzig, 4 de novembro de 1847) foi um maestro, pianista, organista, e acima de tudo, compositor alemão que esteve na vanguarda da música de seu país durante os anos 1830 e 40. Seu estilo musical, totalmente desenvolvido antes de seus 20 anos, derivou de várias influências, incluindo o contraponto cromático complexo de Bach, a clareza formal e graciosidade de Mozart e o poder dramático de Beethoven e Weber. Em grande medida, sua música reflete uma tensão fundamental entre classicismo e romantismo na geração de compositores alemães após Beethoven. Escreveu seus vários lieder para coral a capella com a intenção de apresentá-los informalmente, como divertimentos agradáveis para músicos e apreciadores. Der erste Frühlingstag é o título coletivo de seu opus 48 (publicado em 1840). Em sua descrição encantadoramente ingênua e bem-aventurada das alegrias dos primeiros dias de primavera, incorpora outra presunção romântica - o renascimento simbólico da alma. Em Morgengebet (oração da manhã), quinta peça da obra, o poeta compatriota de Mendelssohn, Joseph von Eichendorff (1788-1857), explora em seu texto o sentimento de resignação perante a Deus. Submisso a Ele, ora para adorá-lo e exaltá-lo (por Walisson da Cruz). Referências Bibliográficas: Artigos. 1980. "Mendelssohn(-Bartholdy), (Jacob Ludwig) Felix". The New Grove Dictionary of Music and Musicians, editado por Stanley Sadie. 20 vols. London, Macmillan Publishers. Trad. Walisson Higor da Cruz, 2015. EHRLICH, John W.. Music from the heart of europe: The Spectrum Singers. 2005. Disponível em: http://www.spectrumsingers.org/archives/2004-05/feb2005.pdf . Acesso em: 02 nov. 2015 (por Walisson Cruz).

4. Solfeggio. É o primeiro trabalho para coro misto a capella (SATB) de Arvo Pärt. Baseada na escala de Dó maior, a peça foi escrita após um hiato de oito anos sem que Pärt compusesse qualquer coisa. O texto é formado pelas palavras monossílabas que constituem a escala de Dó maior (dó, ré, mi, fá, sol, lá, si), caracterizando a peça como o único trabalho para coro do compositor escrito sem texto sacro. Embora seu conceito seja simples, a peça é de difícil execução: são dez escalas de Dó maior, em que cada nota da escala se inicia dois tempos após a anterior, obtendo-se assim um ciclo de sobreposições de nonas, sétimas e segundas maiores e menores, o que confere um efeito sonoro etéreo à composição (por Gabriela Menezes).

5. Down by the riverside. É uma canção espiritual que era cantada pelos negros no Sul dos Estados Unidos, num contexto de guerra, escravidão e discriminação racial. É uma música repleta de metáforas e ambiguidades, há versos e imagens bíblicas que na verdade referem-se a busca pela liberdade, paz e igualdade. A expressão "passar pelo rio" sugere vários significados, como o batismo cristão nas águas com vestes brancas (put on my long white robe), ou a travessia pelo mar, do povo escravizado no Egito guiado por Moisés, que foi liberto da escravidão. O refrão I ain't gonna study war no more é uma citação bíblica encontrada em Is 2:4 e Mq 4:3, cuja ideia é o fim da guerra onde não precisará mais aprendê-la (ou prepará-la), pois haverá paz. Autor desconhecido, com data aproximada de 1920 (por Flórence Suana).

6. When the stars begin to fall (“Quando as estrelas começarem a cair'' - Negro Spiritual, Estados Unidos, século 18 ou 19).
''Meu Senhor, o que é uma manhã!
Meu Senhor, o que é um dia!
Oh, meu Deus, o que é uma manhã
Quando as estrelas começam a cair
Oh, você vai ouvir o som da trombeta
para acordar as nações subterrâneo
Olhando para a mão direita do meu Senhor
quando as estrelas começam a cair [...]''.
“Do ponto de vista histórico, os ‘negro spirituals‘ são relatos de eventos significativos na vida dos escravos. Estes acontecimentos não eram vistos como atos formidáveis de Deus; eles eram crônicas de situações que resultaram das aflições e reações humanas – não o juízo de Deus sobre um povo infiel. Por isto, como história ‘secular’, estes acontecimentos representavam um passado ao qual os libertos tentavam sobreviver. Conquanto seja verdade que muitos destes ‘spirituals‘ podiam ser usados no culto, não o foram após 1890. No fim do séc. XIX e através de XX os ‘negro spirituals‘ permaneciam sem significação e relevância, tão pouco inspiraram fé aos negros protestantes independentes que eram os descendentes diretos e herdeiros dos trabalhadores camponeses que os produziram” (por Evelyn Caroline).

7. Go tell it on the mountain. Texto Bíblico: Tu, anunciador de boas-novas a Sião, sobe a um monte alto. Tu, anunciador de boas-novas a Jerusalém, levanta a tua voz fortemente; levanta-a, não temas, e dize às cidades de Judá: Eis aqui está o vosso Deus. Eis que o Senhor Deus virá com poder, e o seu braço dominará por ele; eis que o seu galardão está com ele, e a sua recompensa diante dele. (Isaías 40:9 e 10). Tradução:
Vá dizer a ela sobre a montanha
Vá dizer a ela sobre a montanha sobre as colinas e em todos os lugares
Ide dizer a ela sobre a montanha que Jesus Cristo é nascido
No tempo de david alguns o chamavam de rei e se uma criança está carregado verdadeiro Senhor Jesus vai ouvir cantar
Quando eu era um candidato procurado tanto noite e dia peço ao Senhor para me ajudar e ele me mostrou o caminho
Ele me fez um vigia em cima de um muro da cidade e se eu sou um cristão eu sou o menor de todos
O estribilho, a letra e a música deste Negro Spiritual (ou Afro-American Spiritual como é chamado hoje em dia) é de origem desconhecida. “O propósito principal da música africana era o de recitar a história do povo” e assim guardá-la para futuras gerações. Portanto, “quando africanos foram trazidos para as Américas, trouxeram consigo a arte de contar uma história através da música”. Cantado e repetido vez após vez, e de geração em geração, “muitas alterações foram sendo feitas (nestas canções), resultando em uma variedade de padrões melódicos e textuais de lugar em lugar. “Embora a melodia das estrofes deste spiritual já pertencesse ao Negro Spiritual, as palavras delas apresentadas são de obra de John Wesley Work, Jr, um dos mais dedicados estudiosos dos Negros Spirituals da sua geração (por Letícia de Assis).

8. Angélica - “Se eu aparecer morta, por acidente ou outro meio, terá sido obra dos assassinos do meu amado filho” – foram as últimas palavras escritas em carta por Zuleika Angel Jones, estilista brasileira conhecida como Zuzu Angel. Composta por Chico Buarque um ano após a morte de Zuzu, que teve seu filho – Stuart Edgar Angel Jones – morto pela ditadura militar. A música retrata a batalha de Zuzu, assim como de outras mães, que perderam seus filhos assassinados pelos militares. Este arranjo polifônico a quatro vozes, de Roberto Rodrigues, apresenta os versos da canção articulados entre as vozes durante toda o arranjo em estilo imitativo (Pedro Brinck).

9. Fon-fon (Kerr). Uma marcinha de carnaval composta na primeira metade do século XX pelos compositores João de Barro (Braguinha) e Alberto Ribeiro. Fon-fon só fez sucesso aproximadamente 40 anos após sua composição na regravação de Gal Costa. Neste arranjo polifônico a quatro vozes, Samuel Kerr explora as possibilidades sonoras que aludem à sonoridade de buzinas (Pedro Brinck).

10. Estrela, estrela é uma música do compositor, cantor e escritor gaúcho Vitor Ramil. Ela faz parte de seu primeiro disco, que leva o mesmo título da composição, lançado no começo dos anos 80. Vitor começou sua carreira artística ainda adolescente e gravou esse primeiro disco aos 18 anos de idade. Alguns cantores brasileiros regravaram suas versões da canção, entre eles estão Gal Costa e Milton Nascimento. A versão apresentada é um arranjo para coro a quatro vozes de Samuel Kerr (por Guilherme Ennes). Fonte: http://www.vitorramil.com.br/

11. Estrela do mar. Letra e música de Marino Pinto (1916-1965), compositor e jornalista, e Paulo Soledade (1919-1999), compositor, produtor de shows e empresário. Arranjo escrito por Samuel Kerr em maio de 1935, São Paulo. Esta fábula em forma de marcha-rancho fez sucesso em 1952 na voz de Dalva de Oliveira. Estrela do mar trata de uma paixão entre um grão de areia e uma estrela, que apesar da distância e de seus encontros e desencontros, misteriosamente, dão origem à estrela do mar, impressionando e eternizando-se na memória do povo brasileiro, sendo então, considerada como clássica entre as marchas-rancho (Lilian Lozio).

12. Muié rendera. Registrada como autoria de Alfredo Ricardo do Nascimento,"Muié Rendera", é uma canção regionalista de Pernambuco, composta entre 1921 e 1922, caracterizada como um hino de guerra dos cangaceiros. Supostamente, Virgulino Ferreira Silva, "o Lampião", líder dos cangaceiros, é que teria escrito versos originais da música. Famosa nacionalmente e internacionalmente, utilizada em trilhas sonoras de filmes, como por exemplo o filme "O Cangaceiro" (1957), foi interpretada por vários artistas, como Luiz Gonzaga, Elba Ramalho, Chico Cesar, entre outros. O arranjo de Carlos Alberto Pinto da Fonseca, é muito interessante, no inicio, a canção possui um caráter misterioso, e ao decorrer bem empolgante, a melodia passa por cada naipe, acompanhada por um ostinato que estabelece um ritmo percussivo por toda obra, cada voz possui real valor, ocorre uma interação entre os naipes, de perguntas e respostas, solo, toda uma diversidade explicita. (por Camila Zanetti).

13. Dai-me Licença. A música que eu escolhi para reger é um arranjo de Sérgio Vasconcellos-Corrêa, que foi publicada na coleção Arranjos Corais de Música folclórica Brasileira. Ela pode ser encontrada em outras edições com a letra levemente diferente e também com o nome de “Meu São José”, tratasse de uma das músicas tradicionalmente cantadas por mulheres no Pastoril. O pastoril é uma tradição folclórica brasileira de origem portuguesa e faz parte do ciclo de festas natalinas do Nordeste (principalmente em alguns estados como Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Alagoas), ele acontece em jornadas soltas de danças e canções religiosas ou profanas, onde “pastoras” vestidas de vermelho e azul se apresentam em frente ao presépio durante os festejos natalinos como um ato de louvor ao Menino Jesus. É como um teatro, uma encenação do nascimento do filho de deus, em que eles eliminam as falas, trocando-as por muita dança e música. “São José escolhido passa ser o guarda fiel dos seus dois maiores tesouros: O Filho de Deus e a Virgem Maria, e ele cumpriu com a máxima fidelidade sua missão.” (Mateus 25, 21) [por Talita Cristina Gonçalves]. Letra:

Meu São José dai-me licença para o pastoril brincar
Meu São José viemos para adorar o Salvador
Nós viemos para adorar
Jesus nasceu para nos salvar.

Alunos de Canto Coral II e IV em 2015-2:

Adriana Mara Candido, Alessandra de Ribeiro e Almeida Lodoli, André Eiva Pfeiffer, Caio Pardo Buck, Camila Zanetti, Cíntia Galan Martesi, Cristiane Carvalho Vilarinho da Silva, Daniel Alves Silva Pereira, Daniel Selli, Daniel Soares da Costa, Eduardo Santana de Oliveira, Evelyn Caroline Almeida de Toledo, Felipe Foresto, Felipe Gabriel Rizardi, Felipe Henrique de Toledo, Flórence da Silva Suana, Gabriela Miranda Simões de Menezes, Gilberto Ceranto Júnior, Giulia Salgado Coelho da Silva, Guilherme Pereira Ennes, Gustavo Caum e Silva, Gustavo de Oliveira Lavandeira, Gutierry José Zambonini, Igor Lourenço Luiz da Silva, Jéssica Rocha Martins, Kelly Araujo da Costa Corrêa de Oliveira, Leandro Tostes Franzoni, Letícia Dias de Assis, Lídia Ávila Militão, Lilian Kelly Perez Lozio, Marcos de Paula D'Almeida, Mario Francisco Baylão, Natália Abdala Rosa Prato, Natália Brunelli da Silveira, Nilton Soares de Souza, Pedro Henrique Brinck Camargo, Rafael Marangoni, Rafael Stein Pereira, Riane Benedini Curi, Roberto Grossi de Avelar Junior, Rodrigo Suguimoto Iwami, Talita Cristina Gonçalves, Thiago Garcia dos Santos, Tiago Martins, Vinícius Eduardo Simião da Silva, Vitor Lyra Biagioni, Walison Lenon de Oliveira Souza, Webert Rodolfo Ninin, Walisson Higor da Cruz, , William Tadashi de Almeida Mori.